Agradar ou Ser agradada?

Uma vez um namorado me disse que eu era muito travada, e que sabia que eu ainda não havia tido orgasmo com ele. E ele não mentiu. Eu me preocupava tanto em agradá-lo, em fazer apenas o que ele gostava, que eu acabava me esquecendo de mim mesma. Aquilo me fez refletir muito, me deparei num dilema “Eu vou continuar sendo coadjuvante ou ser a protagonista do meu próprio filme pornô?” Dá pra acreditar que muitas vezes somos até meras figurantes na transa?

Não vou negar que aquele turbilhão em minha mente havia me deixado pra baixo, eu não consegui entender por que só sentia prazer quando eu mesma me tocava, e na relação em si (que deveria ser boa) eu não sentia, estava ali em prol apenas do meu parceiro, onde segurar, onde beijar, a intensidade que ele gosta, a posição que ele vibrava, pronto gozou. E assim era a minha relação.

Fui me conhecendo, conhecendo o meu corpo, e numa outra transa qualquer, eu fiz do meu jeito, do jeito que eu gostava. Foi legal, tive um orgasmo, com um pau de verdade rsrs. Depois fiz como ele desejava, a relação é entre dois, não podemos esquecer o parceiro. Depois de finalizada ele disse: “Cara, você gozou, foi a melhor relação que tivemos”. Foi ai que entendi, que para o homem importa sim a mulher ter prazer. E não é difícil chegar a esta conclusão, basta lembrar daquele boy que a gente ficou e não gozou na penetração, não sei vocês mas eu odiava quando isso acontecia, ficava me perguntando o que tinha de errado em mim.

E de início é isso, se toquem, se sintam, e sintam prazer, se agradem meninas!